terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Justiceiro é o herói que precisamos no mundo real?


Esqueça Thor, Mulher-Maravilha, Homem-Aranha ou até mesmo Superman pois, se existe um herói mais necessário para nossa realidade, esse herói é O Justiceiro, da Netflix.

O mês de novembro foi agraciado com a interpretação de Jon Bernthal no papel do anti-herói Frank Castle, o Justiceiro. Apesar dos riscos do herói machão-machista - que é esperado nesse tipo de atuação - a entrega foi de um herói com alto senso de justiça e cavalheirismo mas com muita (muita) maldade. Algo que somente o receptor do título "Justiceiro" é capaz de ter.

Fechado, sisudo, reflexivo e nem um pouco inédito do público, o Castle de Bernthal começou sua temporada com os mesmos dilemas apresentados em outros filmes do herói e até mesmo na segunda temporada de Demolidor, onde sua versão para TV foi apresentada. Em sua série solo, a medida que evolui, os episódios tendem a mostrar um herói cheio de falhas e não somente traumas. Suas ações questionadas (mesmo que em excesso) mostram o quanto a dualidade do justiceiro causa questionamentos.
Há resquícios de bondade e excessos de caráter quase que esquecidos até então nos punhos sangrentos do ex-militar. Uma boa montagem com flashbacks bem colocados (aplausos para o episódio 10 "Virtue of Vicious") ou mesmo cenas filmadas em um palco, misturadas no mesmo cartucho de munição com a atuação forte de Jon Bernthal, Ebon Moss Bachrach (Microe Amber Rose Revah (Madani), conseguem deixar tudo sensualmente e sexualmente, violento e delicioso.

Seria a fórmula da maçã do Éden se não fossem algumas falhas técnicas. Assim como as demais séries da Netflix, Justiceiro tende a perder o ritmo da mesma forma que Defensores. A constante interação com a família de Micro e a necessidade constante de engordar a série para caber em 13 episódios, tornam a experiência pesada.

Uma mudança que pode não agradar aos fãs dos quadrinhos da Marvel é quanto à complexidade e crises de Castle: inexistentes com tamanha intensidade nas HQs. Contudo, há uma adaptação para os tempos de alt-right americanos atuais, onde questões como desarmamento, corrupção e terrorismo, são tratados (mesmo com dedos e sem tormar partido) como temas que assustam toda a população norte-americana. O fim do personagem pode não agradar o mesmo fandom, que esperam um avatar de uma máquina de matar enquanto o roteiro o coloca como herói (quase super-herói) e abre a trama para novos vilões carnavalhescos. 

Mas a questão que torna Frank Castle um herói necessário para nossa realidade corrupta é que ele é falho e violento. Suas ações são sedentas de muito sangue e pouca explicação, deixando os questionamentos morais para outros personagens. Isso tecnicamente pode deixar o anti-herói menos interessante, porém mais palpável, afinal de contas, Frank Castle não precisa se auto-justificar - deixem isso para os demais personagens. 

Mas no fim do dia, é agradável saber que mesmo no mundo real, certos meios corruptos estremeceriam ao ouvirem seu nome. Seria o mais correto contudo?

Conhece o Papo Play?
Conhece nosso canal. Assista ao nosso último vídeo.

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Total de visualizações

Ofertas

Vendas de Consoles no Mundo

Marcadores

13 reasons why 3% 99 vidas a torre negra action figures activision adventure Time animações Animais Fantasticos anos 80 apple artes artes marciais artigo assassins creed astronomia atari avatar batman bebe e jogo bethesda beyond good and evil bgs black Mirror Blade runner blizzard board games brazil games bruxas bungie call of duty caminho De Santiago De Compostela cannes capcom Cara Gente Branca carl sagan causas sociais cavaleiros do zodiaco chaves ciencia cinema contra copa do mundo cosplay counter strike Criticas críticas-Filmes dança Dark Darksiders DC deadpool death note defensores destiny DesventurasEntreACruzEAConcha detona Ralph dicas disney doctor who documentario donkey kong Douglas Adams dragon ball e3 ea sports entre A Cruz E A Concha entre cuba e mexico entrevista Episodios esportes esports estilo; comidas faceDance far cry fatal fury ficção cientifica fifa filmes de terror final fantasy final fight fortinite fox FreeGames frozen funko galeria galerias de fotos game of thrones games brasileiros games-retro Gaming gatos globo god of war guardioes da galaxia guia harry Potter hbo Historias-Nerds horizon zero dawn house of cards india indie games infamous infográficos injustice Institucional internet invocacao do mal It james bond Jaspion jouney jurassic park justiceiro king of fighters kingdom hearts kojima konami la casa de papel lanterna verde last of us lego liga da justiça livros mad max makingOff manga mario marketing marvel Marvel Versus Capcom mega drive merlí metal gear Michael Jackson microsoft monty python mortal kombat museus musica Na Estrada namco naruto neon genesis evangelion netflix news ni no kuni nights nintendo no mans sky oito mulheres e um segredo one piece onze homens e um segredo oscar overwatch pacman papo play PCGames peanuts pixar planeta dos macacos plants versus zombies playmobil playstation pokemon pokémon pokmon politica e sociedade portas dos fundos power rangers princesas quadrinhos Quem somos quentin Tarantino realidade virtual Red Dead Redemption 2 religiao resident evil Rick & Morty rockstar sailor moon San Diego Comic-Con saude Sci Fi Sega sense8 seriados shows silvio santos simpsons slender man Smash Bros snk snoopy sonic sony Space Opera speedrun spider man square star trek star wars steam stephen king Stranger Things street fighter superman tales from borderlands tbt teatro tecnologia TecToy tekken telefonia televisao telltale The Big Bang Theory the last of us The witcher this is america Tomb Raider TOP5 trailer transformers trophy X-ray turma da monica ubisoft uncharted videogames live videos vingadores warcraft World War Z xmen you tube yu yu hakusho Zelda zumbis

Blog Archive