segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Como Blade Runner trabalha um dos maiores questionamentos da humanidade


Tente parar por um segundo e reflita sobre a pergunta: O que te faz humano?

Essa pergunta talvez seja uma das mais difíceis de se responder.  Variações à essa pergunta podem ser encontradas na história de Sofia, que com apenas 15 anos em "Mundo de Sofia", já se perguntava  quem era ela. 

Memórias que se perdem, como lágrimas na chuva
Quem somos? O que nos faz humanos? Para onde iremos? Qual o meu propósito?  As poucas respostas (parciais) para esses questionamentos estão em lampejos da História, Genética e Sociologia. Entretanto quanto mais respostas temos, mais questionamentos encontramos.

Até que chegamos em Blade Runner, de 1982 de Ridley Scott, onde ele (ou pelo menos o estúdio na primeira versão do longa), com base na obra "Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?"de Philip K Dick, trouxe à tona esse questionamento: "O que nos faz humanos?".

A obra original de Scott, ganhou mais 2 outras versões, contudo todas elas sempre colocaram em dúvida a humanidade de seu protagonista, Deckard (Harrison Ford) e sua relação com a replicante Rachael (Sean Young). Propósitos, diálogos e símbolos, em uma estética de filme cyberpunk-noir, tornaram a obra de 82, a "melhor ficção científica de todos os tempos" por alguns especialistas (obviamente há controvérsias). 

Podemos não sobreviver, mas no final, quem sobrevive?
Em 2017, 35 anos depois, a história ressurge em Blade Runner 2047. Assistir ao primeiro filme não é fundamental, mas é importante. Além das referências, história e personagens, o filme se propõe a continuar o longa de Scott, porém agora nas mãos de Denis Villeneuve (A Chegada). Apesar dos receios de todo mundo quanto à continuação, o filme consegue absorver, mostrar e evoluir a mesma estética do primeiro longa. 

Dessa vez, o protagonista é K (Ryan Gosling) e o longa parte de elementos e consequências do plot do primeiro filme. A identidade gráfica e as informações em tela, transformam as 2 horas e 43 minutos do filme em uma investigação onde sempre achamos estar um passo à frente de todos - mas nunca estamos.

O roteiro não é impecável, tendo consequências que só se justificam para a trama seguir em frente. Também há um forte indício da necessidade de transformar o filme em uma trilogia (ou até franquia), deixando expostos alguns ganchos de um levante sugerido que podem ser questionáveis.

Entretanto, durante todo o tempo, o espectador se remeterá aos questionamentos originais propostos por Scott e Dick e de quebra, passará a confrontar questionamentos sociais importantes como direito das máquinas, liberdade e até livre-arbítrio.

Villeneuve é sem dúvida nenhuma, a melhor escolha para a continuação e, se a possível continuação for tão bem dosada quanto essa, não há problema algum.
O que te faz humano? O que isso muda, se você não for um humano?
Mas no final, o que nos faz humanos?
Enquanto o primeiro filme era um verdadeiro teste de voight kampff para descobrir a humanidade de Deckard, o segundo é uma investigação construída de forma inversa, capaz de remontar peças de quebra-cabeças que mexem com a origem do indivíduo. Porém o questionamento ganha um outro patamar: o que importa sabermos se somos humanos? 

Um replicante, se prova como um construto social, porém dependente da qualidade da assimilação e padrão. Se estiver fora do padrão, assim como no primeiro filme, é razão de eliminação. 

E isso, transposto à outras realidades, abre um leque infinito de questionamentos que viram pontos de discussão no meio acadêmico e até no facebook. O que não está no padrão, merece ser "eliminado"? 

A resposta para o que nos faz humanos, é sem dúvida nenhuma, um pontapé para mais dúvidas. E Blade Runner 2049, faz bem isso: nos questionar. 

Nota (1-5): 5
O melhor: Voltamos ao mundo atualizado de Blade Runner
O pior: Forte necessidade de criar ganchos para continuação
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Total de visualizações

Ofertas

Vendas de Consoles no Mundo

Marcadores

13 reasons why 3% 99 vidas a torre negra action figures activision adventure Time animações Animais Fantasticos anos 80 apple artes artes marciais artigo assassins creed astronomia atari avatar batman bebe e jogo bethesda beyond good and evil bgs black Mirror Blade runner blizzard board games brazil games bruxas bungie call of duty caminho De Santiago De Compostela cannes capcom Cara Gente Branca carl sagan causas sociais cavaleiros do zodiaco chaves ciencia cinema contra copa do mundo cosplay counter strike Criticas críticas-Filmes dança Dark Darksiders DC deadpool death note defensores destiny DesventurasEntreACruzEAConcha detona Ralph dicas disney doctor who documentario donkey kong Douglas Adams dragon ball e3 ea sports entre A Cruz E A Concha entre cuba e mexico entrevista Episodios esportes esports estilo; comidas faceDance far cry fatal fury ficção cientifica fifa filmes de terror final fantasy final fight fortinite fox FreeGames frozen funko galeria galerias de fotos game of thrones games brasileiros games-retro Gaming gatos globo god of war guardioes da galaxia guia harry Potter hbo Historias-Nerds horizon zero dawn house of cards india indie games infamous infográficos injustice Institucional internet invocacao do mal It james bond Jaspion jouney jurassic park justiceiro king of fighters kingdom hearts kojima konami la casa de papel lanterna verde last of us lego liga da justiça livros mad max makingOff manga mario marketing marvel Marvel Versus Capcom mega drive merlí metal gear Michael Jackson microsoft monty python mortal kombat museus musica Na Estrada namco naruto neon genesis evangelion netflix news ni no kuni nights nintendo no mans sky oito mulheres e um segredo one piece onze homens e um segredo oscar overwatch pacman papo play PCGames peanuts pixar planeta dos macacos plants versus zombies playmobil playstation pokemon pokémon politica e sociedade portas dos fundos power rangers princesas quadrinhos Quem somos quentin Tarantino realidade virtual Red Dead Redemption 2 religiao resident evil Rick & Morty rockstar sailor moon San Diego Comic-Con saude Sci Fi Sega sense8 seriados shows silvio santos simpsons slender man Smash Bros snk snoopy sonic sony Space Opera speedrun spider man square star trek star wars steam stephen king Stranger Things street fighter superman tales from borderlands tbt teatro tecnologia TecToy tekken telefonia televisao telltale The Big Bang Theory the last of us The witcher this is america Tomb Raider TOP5 trailer transformers trophy X-ray turma da monica ubisoft uncharted videogames live videos vingadores warcraft World War Z xmen you tube yu yu hakusho Zelda zumbis

Blog Archive